Artigo

Controlar os processos de fermentação indesejada? A Eurotec Nutrition tem a solução!!!

4 de marzo de 2021

Em algumas explorações econômicas, a utilização do processo de fermentação na produção de alimentos finais, é de suma importância para garantir as qualidades nutricionais e organolépticas do produto. Esse é o caso em alimentação humana, da cervejaria e da panificação, além de vários outros alimentos que necessitam sofrer este processo químico e biológico para adquirir ou manter as características próprias do produto. Na nutrição animal um ótimo exemplo são as silagens.

Há inúmeras outras situações, no entanto, em que o processo de fermentação não é bem-vindo. Em matérias-primas, a quebra de açúcares simples como glicose e sacarose por leveduras e bactérias fermentativas, acaba gerando produtos indesejáveis à nutrição animal, como álcool e aldeídos, reduzindo a qualidade nutricional e organoléptica da matéria-prima. Outro inconveniente industrial gerado pela fermentação não-intencional é a formação de espuma, que acarreta problemas relacionados ao armazenamento e transporte dessas matérias-primas.

O melaço é um importante ingrediente destinado à alimentação animal, que facilmente pode sofrer processo de fermentação. Os dois tipos de melaço mais utilizados na formulação de dietas para os animais são o melaço de cana-de-açúcar e o melaço cítrico, provenientes do processamento do açúcar e dos subprodutos da laranja, respectivamente. Podem ser encontrados na forma líquida ou em pó, são solúveis em água e solventes e possuem um Brix variando entre 20 até 80° Bx. Esta alta concentração de açúcares encontrada no melaço leva a uma maior probabilidade de ocorrerem processos fermentativos indesejáveis, ainda maior quando se observa uma contaminação cruzada com leveduras e bactérias homofermentativas aliadas a um range de temperatura ideal para o crescimento microbiano. 

Alguns aditivos podem ser utilizados para a inibição ou interrupção do crescimento microbiano no melaço, de modo a evitar a quebra dos açúcares simples deste substrato, levando a formação de compostos secundários e espuma (pela formação de gás carbônico). Quando há desafio de crescimento bacteriano ou fúngico ou mesmo ocorrência de formação de espuma podemos indicar dois tipos de aditivos: o bissulfito/metabissulfito de sódio, amplamente utilizado na vinicultura, tem a capacidade de eliminar leveduras e bactérias homofermentativas antes que ocorra o processo de fermentação. Já os ácidos orgânicos criam um ambiente desfavorável ao crescimento de fungos, leveduras e bactérias, preservando assim a qualidade do substrato que é facilmente fermentável. Além disso, o uso de um aditivo antiespumante permite maior rendimento industrial e segurança no transporte do melaço até o produtor.

A Eurotec Nutrition possui uma linha de aditivos como Euromold e Stop Acid, específicas para controle dos processos fermentativos do melaço, sem prejuízo das  fermentações controladas (necessárias nas destilarias) e com garantia de segurança no consumo pelos animais. Já o antiespumante da linha Eurofoam, é altamente eficiente, mesmo em baixas dosagens, para aplicação diretamente nos tanques de armazenamento e caminhões transportadores.

Quando o assunto é controle de fermentações indesejáveis e da formação de espuma, a Eurotec Nutrition vai além!