Blog

Produção Sustentável de Aves dentro do conceito One Health

06 de outubro de 2020


A moderna produção de aves tem incrementado rápida e continuamente os índices zootécnicos e econômicos obtidos. Porém, este rápido desenvolvimento da avicultura brasileira e internacional também trouxe novos desafios aos zootecnistas, médicos veterinários e técnicos, principalmente no tocante a chamada “produção limpa”, sem a utilização de antibióticos promotores de crescimento (APC) e em relação ao desafio sanitário ao qual as granjas estão expostas.

Ganho de peso, conversão alimentar, consumo de ração, mortalidade, rendimento de carcaça e rendimento por ave alojada são alguns dos parâmetros zootécnicos e econômicos utilizados para avaliar o sucesso da exploração avícola. Tais parâmetros podem ser seriamente afetados quando existe o desenvolvimento de microorganismos na cadeia de produção, entre eles em especial, a Salmonella. Quando ocorre a positividade de Salmonella em um lote de aves, esta acontece não somente nos animais mas também nas instalações e equipamentos da granja, veículos de transporte, alimentos e rações e até mesmo o abatedouro/ frigorífico podem estar contaminados, acarretando em perdas produtivas, piora dos índices zootécnicos, configurando alerta sanitário para toda a cadeia de produção (Doyle e Erickson, 2006).

Diversos artifícios têm sido utilizados para minimizar ou eliminar o problema da contaminação e desenvolvimento microbiano, entre eles, o uso de aditivos. Com a pressão dos consumidores e até mesmo frente as restrições impostas, por exemplo, pela União Europeia, pelo banimento do uso de APC (antimicrobianos promotores de crescimento), novos aditivos estão sendo avaliados como substitutos viáveis aos APC, como os ácidos orgânicos de cadeia curta e cadeia média e os aditivos fitogênicos (Jones e Ricke, 2005).

Os ácidos orgânicos de cadeia curta (1 a 4 carbonos) como ácido fórmico, acético e propiônico e os ácidos orgânicos de cadeia média (6 a 12 carbonos) como o ácido caprílico, cáprico e láurico possuem uma eficiente ação antimicrobiana, por penetrarem na célula bacteriana e alterarem o pH no interior da célula, levando a depleção e morte da bacteriana por esgotamento energético. Além disso, os ácidos orgânicos de cadeia média são fonte de energia prontamente disponível para os enterócitos, mantendo a integridade da parede intestinal (Ricke, 2003; Hovorkova et al., 2015)

Os aditivos fitogênicos, baseados em óleos essenciais e extratos provenientes de partes de um vegetal, possuem conhecida funcão antimicrobiana, antioxidante, antinflamatória e melhoradora do desempenho animal. Sua funcionalidade é incrementada quando em sinergia com vários extratos herbais ou óleos essenciais no mesmo produto comparado ao uso isolado da substância principal da planta que se queira utilizar (Brenes e Roura, 2010; Hashemi e Davoodi, 2010).

Ácidos orgânicos de cadeia curta e cadeia média e aditivos fitogênicos podem ser uma boa alternativa ao uso de APC na dieta de frangos de corte para promover a saúde intestinal, a melhoria do status sanitário e de desempenho zootécnico das aves tratadas. 

A Eurotec tem se utilizado de sua expertise e grande sucesso no controle de Salmonella para desenvolver toda uma linha focada no controle de Salmonella e outras enterobactérias, restabelecimento da saúde intestinal das aves, melhoria zootécnica e produtiva, permitindo a produção dentro dos melhores princípios de bem-estar animal, produção sustentável com alternativas aos AGP, totalmente alinhado com o conceito One Health.

Quando o objetivo é produção sustentável de aves dentro do conceito One Health, a Eurotec vai além!