Artigo

COMBATENDO A SALMONELA: OS PRINCÍPIOS ATIVOS UTILIZADOS NOS ADITIVOS ANTIMICROBIANOS DA EUROTEC

7 de diciembre de 2020

                A salmonela é a principal vilã na cadeia de produção de proteína animal. Considerada um perigo de saúde pública, pode levar à condenação de carnes, leite e ovos destinados ao consumo humano, acarretando em perdas econômicas e sanitárias. Segundo estimativas da Secretaria de Vigilância Sanitária, entre 2000 e 2017, cerca de 20% das infecções por salmonela no Brasil ocorreram diretamente pelo consumo de produtos de origem animal e, somente em recall e devoluções internacionais de carne de frango condenadas em 2019, gerou aproximadamente 1.600 toneladas de produto. 

                Várias pesquisas foram e continuam sendo conduzidas para definir qual ou quais princípios ativos são mais efetivos no combate à salmonela. Também se avalia se o uso de formulações puras ou a combinação de diversos princípios ativos proporcionam melhor efeito, possibilitando menores dosagens com alta eficiência. É importante que os princípios ativos possuam efeito residual em níveis seguros para consumo por parte dos animais e para o consumo dos produtos finais pelos humanos.

                Basicamente, os princípios ativos utilizados na produção de um aditivo antimicrobiano são os ácidos orgânicos e seus sais, associados ou não ao formaldeído. 

                Quanto aos ácidos ou blends, são utilizados principalmente ácidos orgânicos de cadeia curta, com 1 a 4 carbonos, tais como fórmico, acético, propiônico e láctico, entre outros. Os ácidos orgânicos têm a capacidade de se dissociar desde que o pH do meio seja compatível com o pKa de cada ácido em específico. Neste processo os ácidos penetram na célula bacteriana liberando um íon hidrogênio no interior da mesma, levando-a à morte, por desbalanceamento do pH intracelular e consequente esgotamento energético. Os sais de ácidos orgânicos, como formiato de amônio, formiato de sódio e acetato de sódio, entre outros, também possuem a capacidade de se dissociar, porém, como o pKa dos ácidos é diferente do pKa dos sais, usar blends com princípios ativos diferentes possibilita aumentar a efetividade do aditivo antimicrobiano para uma ampla faixa de pH, atuando em uma maior extensão ao longo do trato gastrointestinal.

                O uso de ácidos orgânicos e seus sais não possui qualquer restrição quanto a segurança alimentar, porém sua manipulação e o contato constante com equipamentos e instalações pode levar a situações de redução da qualidade do ambiente de trabalho e corrosividade na linha de produção. A Eurotec Nutrition conta com a tecnologia Soft, que reduz a corrosividade e a agressividade dos seus aditivos antimicrobianos quando comparados com outros produtos do mercado.

O formaldeído é uma substância produzida a partir da oxidação catalítica do metanol. Existe uma variante na forma de pó insolúvel que é chamada de paraformaldeído. O formaldeído tem efeito antimicrobiano bastante potente, sendo eficiente em baixas dosagens, apresentando MIC entre 0,0078 e 0,0156 % contra Salmonella sp. Como sua ação sobre a célula bacteriana, especialmente a salmonela, é rápida, ele é amplamente utilizado nas formulações de antimicrobianos, porém devido a pesquisas recentes, seu uso é vedado nas rações destinadas ao segmento petfood. 

 

                A Eurotec Nutrition possui a linha Euroguard com diferentes formulações, podendo conter somente ácidos orgânicos e seus sais, ou serem associadas ao formaldeído. Os produtos são apresentados nas versões pó e líquida, para melhor atender as demandas especificas de cada cliente. 

Quando o assunto é combate a salmonela, a Eurotec Nutrition vai além!