Blog

Programa Eurotec para deter a contaminação fúngica em grãos e rações destinadas a alimentação animal

19 de febrero de 2020

Segundo estimativas oficiais mais recentes, o Brasil deve colher na safra 2019/2020 cerca de 243 milhões de toneladas de grãos, um recorde de produção. Dados consolidados pelas entidades de classes mostram que no ano 2019 foram produzidas 75 milhões de toneladas de rações para aves, suínos e bovinos de corte e leite e no mercado pet (dados de 2018), o volume produzido de ração foi de 2,74 milhões de toneladas. São volumes consideráveis de matérias-primas e alimentos prontos que estão sujeitos a um grande inimigo: a contaminação fúngica.

Fungos são organismos uni ou pluricelulares, que podem viver de forma simbiótica ou parasitária, sendo que estes últimos têm especial importância para quem trabalha com a nutrição animal.  Os principais gêneros relevantes na produção de grãos e rações são Aspergillus, Fusarium e Penicillium, apesar de existirem diversos outros gêneros importantes que também possuem interesse para nutricionistas e sanitaristas. Trabalhos realizados por centros de pesquisa mostram que a contaminação fúngica de grãos e rações produzidas no Brasil pode variar entre 15 até 65%,  sendo esta contaminação dependente do substrato e das condições ambientais encontradas, tais como umidade, temperatura e atividade de água. No dia-a-dia, os fungos são classificados de duas maneiras: fungos de lavoura-colheita, ou seja, são aqueles que contaminam o grão na sua fase de enchimento e maturação, quando o substrato (amido, por exemplo) está disponível como fonte de energia para o desenvolvimento fúngico, e; fungos de armazenamento, que são aqueles que se desenvolvem em ambientes de silos, armazéns e até mesmo na embalagem que são comercializados. Os fungos de armazenamento são a principal causa de contaminação em rações acabadas.

O desenvolvimento de bolores e leveduras em grãos e rações acabadas acarretam dois grandes problemas: a perda da qualidade nutricional do alimento, pois o fungo “alimenta-se” do substrato oferecido pela matéria-prima, seja o amido ou mesmo a fração lipídica contida no alimento e leva ao aparecimento de micotoxinas, que são metabólitos secundários produzidos pelos fungos, responsáveis por sérias perdas de ordem zootécnicas, uma vez que afetam o desempenho produtivo e os índices reprodutivos dos animais. A contaminação por micotoxina de grãos e rações levam a questões impactantes também na nutrição humana, pois alguns produtos de origem animal, como no caso o leite, podem estar contaminados com estes metabólitos se o animal consumir rações contaminadas por fungos ou micotoxinas.

Os ácidos orgânicos e seus sais, como o ácido propiônico, ácido acético, acetato de sódio e propionato de cálcio possuem uma alta efetividade no controle da contaminação por bolores e leveduras em grãos e rações. Trabalho realizado por Engelmann et al. (2008) com grãos de soja tratados com uma mistura de ácido propiônico e acético e seus sais, mostram uma redução na contagem de bolores e leveduras por 90 dias comparados ao grupo controle. Avaliando rações para avestruz, peixe e eqüino tratadas com ácidos orgânicos e seus sais, Gabbi et al. (2011) obtiveram um tempo de armazenamento de cinco meses com níveis seguros de desenvolvimento fúngico, sendo que a temperatura, umidade relativa do ar, umidade e atividade de água da ração no local de armazenamento neste período foram, em média 22,6ºC, 62%, 10,35% e 0,62, respectivamente.

A Eurotec Nutrition apresenta uma linha específica de antifúngicos para descontaminação fúngica e para prevenção do aparecimento de bolores e leveduras. Na sua linha possui produtos na versão pó e líquida na composição tradicional de ácidos orgânicos e seus sais (Euromold L e P); oferece ainda antifúngicos que além da ação sobre bolores e leveduras, permite um controle da atividade de água do grão ou ração tratada (Euromold Aw L e P), além de um programa, Optima, que contempla a descontaminação e prevenção da contaminação fúngica de grãos e rações, reduz a atividade de água para níveis seguros e permite a rehidratação das matérias-primas e rações tratadas permitindo níveis seguros de umidade que não comprometam a qualidade microbiológica do grão ou da ração. 

Em matéria de prevenção da contaminação fúngica em grãos e rações destinadas a alimentação animal, A Eurotec Nutrition vai além !