Blog

O que fazer quando o problema com Salmonella se torna realidade

14 de agosto de 2019

O desafio de controlar Salmonella é um dos pesadelos das empresas que investem na produção de aves e suínos. Pior ainda quando o que é um risco, por diferentes motivos, torna-se uma realidade, que deve ser tratada como prioridade devido a importância da Salmonella como contaminante de carcaças e cortes cárneos e o consequente risco de toxinfecções alimentares.

Mas o que deve ser feito quando o problema surge? Que medidas devem ser adotadas?

Antes, é importante destacar que o grande problema na identificação da contaminação por Salmonella está no tempo necessário para obter os resultados de análise para detectar presença ou ausência do microorganismo. Já existem kits rápidos para detecção de  Salmonella, mas nenhum rápido o bastante para a tomada de decisão imediata no caso de positividade fábrica ou na granja. 

Para entender como lidar com o problema, é preciso reforçar que existem três principais situações onde pode ocorrer contaminação por Salmonella

1) Na fábrica de matérias-primas e rações para alimentação animal;

2) Na granja de produção de aves e suínos;

3) No abatedouro.

São situações bastante distintas, e que pedem ações diferenciadas, embora complementares, conforme destacado a seguir. 

Quando a Salmonella surge na fábrica

No caso da fábrica de matérias-primas e rações, deve-se identificar o ponto ou pontos de contaminação por Salmonella e, a partir disso, adotar um bom programa de desinfecção de instalações e equipamentos com antisalmonela em pó, preferencialmente para atuar na superfície de contato. 

Também deve ser feito um tratamento com produto antisalmonela nas matérias-primas e rações. E sugere-se ainda um programa de monitoramento dos resultados para pesquisa de Salmonella nas matérias-primas e rações e nos swabs realizados em instalações e equipamentos.

Identificação e reversão do problema: Nas fábricas de farinhas e óleos e nas fábricas de rações, usualmente se realiza análise semanal ou quinzenal da matéria-prima (farinha de origem animal, por exemplo) ou ração produzida. A análise realizada através de swab de equipamentos e instalações para detectar presença de Salmonella demora em média entre 3 a 7 dias para ficar pronta e, em caso de positividade, só então será possível tomar as devidas medidas corretivas e/ou profiláticas de controle, como desinfecção com antisalmonela em pó.

Importância do uso de aditivos: O tratamento da matéria-prima (farinha de origem animal, farelo de origem vegetal, etc.) e da ração com aditivo antisalmonela é feito para que ocorra a destruição da bactéria a fim de evitar uma possível recontaminação até este alimento ser direcionado para a granja.

Quando a Salmonella surge na granja

No caso das granjas, durante o vazio sanitário recomenda-se que seja realizada a desinfecção das instalações, equipamentos e comedouros com atomização de antisalmonela em pó. A identificação do animal com salmonelose muitas vezes é difícil em razão da densidade populacional das granjas e também pelo fato de o animal apresentar-se assintomático para a doença. 

Para a prevenção da salmonelose em aves e suínos, recomenda-se o uso de matérias-primas e rações previamente tratadas com aditivo antisalmonela, além da inclusão, na ração ou na água de bebida dos animais, de produtos que possam auxiliar no combate à infecção por Salmonella, tais como ácidos orgânicos, aditivos fitogênicos, pré e probióticos e mesmo os antibióticos promotores de crescimento, embora estes estejam sendo, cada vez mais, banidos da produção animal.

Identificação e reversão do problema: No caso das granjas de suínos e aves, em razão da alta densidade populacional das granjas e da presença de animais assintomáticos, é difícil predizer se a granja está ou não passando por um desafio de Salmonella. O uso de swabs de arrasto, de equipamentos, de instalações, de cloacas (aves) e swabs retais (suínos), podem contribuir como ferramenta adicional na identificação de possíveis casos de positividade para Salmonella.

Importância do uso de aditivos: Na granja, a recomendação é o uso de aditivos antisalmonela (ácidos orgânicos, aditivos, fitogênicos, pré e probióticos, AGP) na alimentação ou na água de bebida dos animais, evitando que a Salmonella circulante dentro da granja possa afetar negativamente o desempenho zootécnico dos animais.

Como a Eurotec desenvolve ações com foco no combate à Salmonella

A Eurotec Nutrition conta com uma linha completa de aditivos antisalmonela, nas versões pó e líquido, com e sem formaldeído na sua composição e inclusive com formulações específicas com menor corrosividade aos equipamentos e menos agressiva aos operadores. Todos os produtos são validados por testes de eficiência em universidades e laboratórios conceituados de pesquisa. 

Além de soluções antisalmonela, a Eurotec produz e compartilha conteúdos que abordam o assunto. Especificamente no combate à Salmonella, a empresa vai além e conta com o Programa Euroguard de Controle de Salmonella, com ampla abrangência, contemplando toda a cadeia de produção de aves e de suínos - desde a criação, passando pelo abatedouro, fábricas de farinhas e farelos, fábrica de ração e novamente a granja.

A Eurotec também desenvolve um programa de assessoramento e consultoria aos seus clientes para averiguar os possíveis pontos de contaminação e estipular ações para prevenção desta contaminação.

Consulte a equipe de especialistas da Eurotec Nutrition para saber mais sobre como prevenir o surgimento da Salmonella. Fale conosco